Aciab

Aciab

Registrar o desaparecimento no “SOS Cheques e Documento” evitará fraudes e golpes em seu nome

É comum, durante o período de Carnaval, perda, furto, roubo ou extravio de carteira de identidade, de motorista, CPF, cheques e outros documentos. Quem vivenciou essa situação precisa tomar algumas atitudes para evitar fraudes ou golpes em seu nome. 

A primeira providência é registrar Boletim de Ocorrência na delegacia mais próxima. 

Mas só isso não basta. É importantíssima a inclusão do desaparecimento no “SOS Cheques e Documentos”, um serviço da Boa Vista SCPC que informa ao mercado de que há algo de errado naquela documentação. 

Para fazer o registro é bem simples e gratuito. Basta acessar o site Consumidor Positivo (www.consumidorpositivo.com.br), da Boa Vista SCPC, e, após realizar o cadastro, informar quais documentos estão desaparecidos. 

As informações ficam disponíveis no “SOS Cheques e Documentos” por cinco anos e o próprio cidadão pode fazer o pedido de exclusão a qualquer momento. Se quiser continuar com o aviso de extravio após os cinco anos, precisará fazer novo pedido e apresentar Boletim de Ocorrência. 

Como funciona: Uma vez registrado o desaparecimento no “SOS Cheques e Documentos” da Boa Vista SCPC, cada vez que um lojista consultar o número do CPF um alerta é disparado com a informação de que a documentação foi roubada, furtada, extraviada ou perdida. Isso evita que o nome do cidadão seja usado indevidamente para golpes. 

 

No dia 06 de fevereiro de 2017 (Segunda-feira), às 19h30min no Salão Nobre da ACIAB é empossada a Nova Diretoria da ACIAB e Conselho Deliberativo para o biênio 2017/2018.

Milton Mattar continua no cargo de presidente da Diretoria Executiva e Marcos Antonio Mutton na Presidência do Conselho Deliberativo.

A Assembleia Geral Ordinária teve como objetivo inicialmente a apresentação do relatório da diretoria e a prestação do Exercício de 2016.

O contador da ACIAB, Marcos Antonio Mutton Júnior apresentou ao público a Demonstração do Resultado do Exercício e Balanço Patrimonial do Ano de 2016.

A noite de oficialização foi presidida por Marcos Mutton que agradeceu a presença de todos, apresentou todos os membros da Diretoria Executiva e Conselho Deliberativo citando todos os nomes com seus respectivos estabelecimentos comerciais onde foi observado que não houve muitas alterações na chapa e finalizou dando posse à nova Diretoria.

Considerando o momento de austeridade que o país passa, em comum acordo com os diretores ficou decidido uma posse restrita aos membros da diretoria e funcionários da ACIAB com o objetivo de minimizar despesas para colocar em prática o projeto de restauração do prédio da ACIAB.

 

Composição da Chapa: Diretoria Executiva Biênio 2017/2018

Presidente

Milton Mattar

Maqpel Móveis p/ Escritório 

Vice – Presidente

Jovane Mariano da Silva

Lojas É D+ 

Irene Maria Marangoni Mignolo 

Organização Contábil MM

 

Secretários

Maria Cristina de Castro Fávero Guessi 

Tutto Bello 

Olivio Mazzuco 

Farmácia Bom Jesus 

 

Tesoureiros

Guido Poleto Neto

Aquacenter

Antônio Contro 

Loja São Marco 

 

Diretores

Adilson Luis dos Santos

Moto Max

Adriano Avanço 

Credicitrus 

Mário Gomes de Oliveira Júnior 

Comercial Combustível Pena Verde 

 

Conselho Deliberativo - Biênio 2017/2018

 

Presidente

Marcos Antonio Mutton 

Escritório Audiplan

 

Conselheiros

Adenilson Alves 

Casa Nova Tintas 

Anadir Ribeiro 

Anadir Salão Cebeleireiro 

Antonio Campanelli

Agropastoril Paschoal Campanelli

Celso Aparecido de Oliveira 

Auto Moto Escola Sobérbia 

Claudineia Ruy Piovezana 

Algodão Doce Moda Infantil 

Daniela Moreira da Silva Maia 

MD Brasil 

Fernando Carlos da Motta 

Aqui Barato Confecções 

Francisco Carlos Petrochi 

Móveis Petrochi 

Julio Cesar de Freitas 

Supermercado Freitas Bebedouro

Manoel Soares Bailão Filho 

Hidrogeral 

Manoel Vasco

Perfumaria Regina 

Marcia Heloisa Iquegami 

Supermercado Iquegami 

Maria de Lourdes Goes Hernandes 

Imperial Presentes

Maria Estela Cursi

Stella Iluminação

Mauro de Oliveira 

Oficina Santa Lucia

Simone Cristina Moretti Bignardi

Mercadão dos Óculos

Tânia Regina Scorsolini de Oliveira

Auto Posto Muller

Thiago Pezzi Rasteiro 

Casa Rádio 

Tony Jesus Domingues

Femme

 

A ACIAB informa que no dia 06/01/2017 (sexta-feira) às 10h30min na Praça da Matriz São João Batista foi realizado o sorteio da Campanha “Natal Mais Feliz ACIAB”. 

Estavam presentes comerciantes gerais, associados ACIAB, imprensa e público em geral.

Confiram os ganhadores:

 

Bicicleta: Ari Carlos Ribeiro

Loja: Supermercados Sesé

 

 

Bicicleta: Rita de Cássia dos Santos Colósio 

Loja: Supermercados Sesé

 

 

Celular: Marcos Roberto Candido

Loja: Supermercados Iquegami

 

Celular: Sandra Both

Loja: Mundo M

 

 

Tablet: Marizete dos Santos Caires

Loja: Lojas ÉD+

 

 

Tablet: Maria Ap. Batista Luiz

Loja: Supermercados Iquegami

 

 

Moto: Nelson Dias de C. Filho

Loja: Supermercados Iquegami

 

Atenciosamente. 

Milton Mattar - Presidente ACIAB

 

A Associação Comercial, Industrial e Agrícola de Bebedouro – ACIAB convida todos os associados e população em geral para prestigiarem o sorteio da Campanha “Natal Mais Feliz ACIAB”.

O sorteio será realizado no dia 06/01/2017 (sexta-feira) às 10h30min na Praça da Matriz de São João Batista. Os participantes estarão concorrendo a: 01 Moto 0 km, 02 Tablets, 02 Bicicletas e 02 Celulares.  

Caso chova no dia do sorteio o mesmo será transferido para o Salão Nobre da ACIAB, localizado na Rua Dr. Oscar Werneck, 395, Centro.

Aguardamos a presença de todos.

 

A AVCC de Bebedouro divulgar na última quinta-feira do ano o balanço da 10a. Festa Direito de Viver de Bebedouro. A receita bruta foi de R$ 1.270.177,00 e gerou uma despesa de R$ 401.611,59. Como acordado com o Hospital do Cancer de Barretos, 10% do arrecadado fica para a manutenção da AVCC e o restante, R$ 780.765,41 já foram depositados para o Hospital. 

A Loja É Demais reabriu suas portas no último sábado (26). O casal proprietário, Jovane Mariano e Adriane receberam seus clientes com um delicioso café-da-manhã. 

A loja agora tem muito mais variedades e atende desde as crianças, jovens, homens e mulheres com produtos de qualidade e bom preço. 

Veja conhecer a Loja É Demais no calçadão do comércio de Bebedouro. 

Homenagem ao Sr. Zinho, proprietário da Casa Ricardo e sócio da ACIAB há mais de 40 anos (falecido em 03/11/2016). Republicação da matéria do Jornal ACIAB no ano de 2003.

 

Nascido e criado no comércio, só poderia ser comerciante e dos bons. Seu Zinho, como é carinhosamente conhecido o seu Anuar Nemer, da Casa Ricardo, tem uma trajetória interessante de vida no comércio que fez dele um empresário de sucesso.

Uma vida inteira dedicada à arte de negociar e o resultado foram os filhos e crescer dentro daquilo que aprendeu a fazer.

É claro que ninguém chega aonde seu Zinho chegou sem muita luta e ajuda de fiéis guerreiros. 

O nome é diferente: Anuar Nemer, mas o apelido torna a simpática e atenciosa figura do seu Zinho em alguém simples, com uma trajetória de 35 anos para contar, dentro do comércio de Bebedouro. Casado há 42 anos com dona Maria Aparecida D’arbo Nemer, teve com ela três filhos. São eles: Ricardo, o primeiro, que deu origem ao nome da loja, Roberta que veio 11 anos depois e a caçula Renata.

Seu Zinho começou a vida no comércio, como empregado na loja do irmão materno, Jorge Jacob, que era dono do Bazar São Jorge. Depois, resolveu andar com as próprias pernas e encarou o desafio. Seu Zinho comprou o ponto comercial que já era uma loja de confecções de Mustafá Bazzi. Em 1989 Seu Zinho fez uma permuta com o dono do prédio, Senhor Lázaro Bailão. Ficou com o imóvel da rua coronel João Manoel em troca de um apartamento no edifício Centenário.

Em entrevista ao Jornal da ACIAB Seu Zinho contou um pouco dessa história.

JA - Como surgiu a Casa Ricardo na sua vida?

Zinho - Eu trabalhava no comércio. Depois, eu comecei a mascatear. Ia a São Paulo, comprava mercadorias, vendia aos amigos. Depois, surgiu o negócio deste ponto aqui e eu resolvi dar início à vida comercial, que, aliás, não foi muito fácil.

JA - O senhor disse que já foi comerciário. Em que loja trabalhou?

Zinho - Na loja do Mano, um irmão meu, chamava-se Bazar São Jorge e era aqui na rua coronel João Manoel.

JA - Em que ano o senhor começou com a Casa Ricardo?

Zinho - A Casa Ricardo começou em 1968. Tem, portanto, 34 anos.

JA - O senhor disse que passou por momentos difíceis?

Zinho - Quando você começa um negócio com pouco recurso é difícil. Você precisa de muita persistência, vontade, muita luta, porque era uma época complicada.

JA - O senhor começou sem verba nenhuma?

Zinho - Comecei sem nada, praticamente eu não tinha capital de giro, dependia muito de banco, cheque especial, “papagaio...”

JA - Mas então, como surgiu o negócio aqui, neste prédio?

Zinho - Aqui é o seguinte: eu comprei apenas o ponto e comecei. Fiz empréstimos dentro da própria família.

JA - Então o seu irmão, para quem trabalhava, se tornou concorrente?

Zinho - Não, porque o ramo dele era bem diferente. Era miudeza, armarinhos, e eu comecei com confecções para recém-nascidos e infanto-juvenil, depois, com o tempo, eu senti que precisava introduzir mais coisas, porque começou a concorrência neste setor. Hoje, a minha loja tem de tudo um pouco, desde o recém-nascido até o adulto, feminino, masculino...Hoje é uma loja que tem todos os tipos de mercadoria, e mercadoria de primeira linha.

JA - E por que o nome Casa Ricardo?

Zinho - Logo que nasceu o meu primeiro filho, eu prestei esta homenagem a ele. A loja já nasceu como Casa Ricardo.

JA - O senhor tem mais duas filhas, elas não ficaram com ciúmes?

Zinho - Não, porque a segunda filha Roberta, veio depois de onze anos, e depois ainda veio a “raspinha do tacho”, a Renata.

JA - Mas apesar dos anos de dificuldade, o senhor conseguiu vencer?

Zinho - Sim, houve uma época boa, antes do plano real. Antes, circulava dinheiro na cidade, havia negócios, havia empregos, com o plano real a coisa mudou muito e o comércio mudou demais.

JA - E como foi suportar essas mudanças?

Zinho - Foi na base da luta, da coragem e força de vontade.

JA - Houve algum momento em que o senhor pensou em desistir, fechar a loja?

Zinho - Havia momentos em que eu pensava sim, mas tive a persistência, usando o banco que era o único recurso que tinha, fui continuando, não tinha outra saída. Antes, quando alguém vinha me perguntar sobre o comércio, eu aconselhava a pessoa a entrar para o ramo sim,  ter seu próprio negócio. Do plano real pra cá eu não aconselho. Se uma pessoa pensa que vai entrar no comércio, para ficar rica e nadar em dinheiro, “vai dar com os burros n’água”. Hoje estamos apenas sobrevivendo. Se chegarmos ao final do mês e conseguirmos pagar as nossas contas, duplicatas, encargos, funcionários, damos graças a Deus. E não sou apenas eu que te digo isto, outros colegas de profissão talvez digam o mesmo.

JA - O senhor tem quantos funcionários na loja?

Zinho - Tenho três funcionárias. A Márcia deve ter de 15 a 16 anos. A Neide trabalhou aqui por etapas. Entrou e saiu várias vezes juntando tudo, deve dar uns 12 anos. E a outra é nova, a Vânia vai completar dois anos.

JA - E mesmo na crise o senhor nunca demitiu?

Zinho - Houve época de eu achar que duas funcionárias eram suficientes, mas a gente não tem coragem de mandar embora e, então, se faz um sacrifício a mais para manter. Emprego está difícil e a pessoa que está com você precisa trabalhar.

JA - São funcionárias de confiança?

Zinho - Isto é o que de melhor elas têm, são funcionárias de muita confiança e ajudaram muito para o sucesso da loja. Eu tenho muito que agradecer a elas. O atendimento delas é muito bom. São amáveis, atenciosas e o cliente bem atendido volta sempre. E graças a Deus e a elas temos um bom atendimento.

JA - Qual a expectativa do senhor para as vendas de Natal?

Zinho - Se nós conseguirmos vender o mesmo, que no ano passado, está bom demais. Eu não vejo estouro nas vendas não. O poder aquisitivo caiu muito.

JA - Uma mensagem.

Zinho - Para os meus clientes eu quero agradecer a preferência que eles sempre me deram. Eu não os considero meus fregueses e, sim, meus amigos. Eu quero desejar a todos um Feliz Natal, um bom Ano Novo e muito dinheiro no bolso para gastar (risos).